domingo, 3 de julho de 2011


   As hortaliças, abrangendo mais de 100 espécies, são consumidas cruas, cozidas, industrializadas e como condimentos. Muitas são de conhecimento público, mas algumas só aparecem em mercados regionais fazendo parte de pratos típicos. A horta é essencial para a melhoria da qualidade de vida das famílias. A horta é importante sob o ponto de vista nutricional, como forma de terapia ocupacional, na melhoria do hábito de consumo das pessoas, na economia das famílias e até na manutenção e/ou melhoria da saúde e prevenção de doenças. É importante destacar, no entanto, que todos os benefícios proporcionados pela horta deixam de existir se forem utilizados agrotóxicos e adubos químicos. As hortaliças contaminadas provocam intoxicações nas pessoas e, especialmente, em pacientes internados e/ou usuários de instituições de saúde, podem causar graves danos a saúde destas pessoas pois, podem alterar os efeitos dos medicamentos. Relatório de 2009 da Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, revela que 907 (29%) amostras de um total de 3.130 amostras coletadas no Brasil, incluindo todas as espécies pesquisadas, estavam contaminadas, alcançando no pimentão, uva, pepino, morango, couve, abacaxi, mamão, alface, tomate e beterraba até 80; 56,4; 54,8; 50,8; 44,2; 44,1; 38,8; 38,4; 32,6 e 32% de amostras contaminadas, respectivamente. Os agrotóxicos encontrados nestes cultivos, são ingredientes ativos com alto grau de toxicidade aguda comprovada, e que causam problemas neurológicos, reprodutivos, de desregulação hormonal e até câncer.

 . Importância nutricional
   Tudo o que se come são alimentos, que são compostos de substâncias denominadas nutrientes. Nutriente é a parte do alimento que vai exercer uma função de nutrição, no corpo humano. Os principais nutrientes são: glicídios (açúcares e amido), lipídios (gorduras), proteínas, minerais (cálcio, fósforo e ferro), vitaminas (A,B,C,E e K) e água. Os nutrientes essenciais ao organismo fornecem energia e desempenham função construtora, formando o sangue, os músculos e os órgãos, garantindo o crescimento e o desenvolvimento físico e mental. Outros, ainda, regulam e estimulam muitas funções que mantêm o perfeito funcionamento do corpo humano.
   É importante lembrar que as vitaminas não se acumulam no organismo, por isso é necessário o consumo diário de hortaliças e frutas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um consumo de vegetais superior a 400g/pessoa/dia para se preservar e/ou incrementar a saúde.
  Convém, também, ressaltar que o hábito de consumo de hortaliças pode ser desenvolvido através da educação e até por insistência. Quase sempre, a insistência no consumo proporciona bons resultados e pode inclusive levar as pessoas a não dispensarem mais as hortaliças e frutas durante as refeições e os lanches. As crianças nascem sem gostar de sabores amargos, como o do brócolis. Se os pais quiserem que seus filhos aprendam a gostar de vegetais, principalmente os verde-escuros, precisam dar a eles oportunidades para prová-los.
   Uma pesquisa publicada na revista americana "Pediatrics" sugere que os bebês podem se acostumar a comer hortaliças mesmo antes de nascer, com a ajuda das mães. Segunda essa pesquisa, o gosto das frutas e das hortaliças passa para o líquido amniótico, no útero, ainda durante a gravidez, e também para o leite materno, no período de amamentação. As crianças "aprendem" a gostar das hortaliças por serem expostas ao gosto, com freqüência, desde pequenas. Os sabores da dieta materna são transmitidos pelo líquido amniótico e pelo leite materno. É importante que a mãe coma de maneira regular hortaliças, para que o bebê aprenda a gostar destes alimentos.
   As hortaliças são ricas em vitaminas e sais minerais, com bom teor de proteínas e fibras, além de outras virtudes dietéticas e até terapêuticas. Por isso, é comum os médicos incluí-las em regimes alimentares e na composição do cardápio diário.
   A vitamina A (vitamina da beleza) é essencial para a saúde dos olhos, pele, dentes e cabelos, atuando sobre o crescimento e aumentando a resistência do organismo às doenças. Nas hortaliças, as fontes mais significativas são: abóbora, agrião, alface, batata-doce, cenoura (Figura 1), couve, espinafre, pimentão, tomate, salsa e feijão-vagem.


Figura 1. Cenoura: hortaliça rica em vitamina A (a vitamina da beleza)

   A vitamina C, fundamental para aumentar a resistência do organismo às infecções, principalmente aos resfriados, é encontrada, especialmente nas frutas. As hortaliças (batata-doce, brócolis, couve, couve-flor, espinafre, ervilha, pimentão, quiabo, repolho, tomate e vagem) também possuem quantidades razoáveis de vitamina C. O organismo humano necessita de 75 mg de vitamina C por dia. 
   A vitamina B estimula o apetite, auxilia no crescimento, facilita a digestão, ajuda no funcionamento normal dos nervos e fortalece a pele e os cabelos. É encontrada em quantidade suficiente para completar as necessidades diárias do organismo humano, nas hortaliças: agrião, alface, beterraba, cenoura, couve-flor, ervilha, espinafre, pimentão, quiabo, repolho e feijão-vagem. 
    A vitamina E, importante para prevenir distúrbios cardiosvasculares e neurológicos, além de acelerar a cicatrização de ferimentos e aumentar a fertilidade, é encontrada, principalmente nas hortaliças alface e repolho . 
   A vitamina K, essencial para a biossíntese de vários fatores necessários para a coagulação do sangue e para a mineralização dos ossos, está presente nas hortaliças alface, couve, couve-flor, ervilha, espinafre, repolho e tomate. 
   Os sais minerais, reguladores que o organismo necessita em pequenas quantidades, como o cálcio, essencial para a formação de ossos e dentes, está presente em teor considerável nas hortaliças brócolis, couve, couve-flor e rabanete; o ferro, existente nas hortaliças couve, espinafre e beterraba faz parte do sangue, sendo que sua participação na dieta alimentar diária previne a anemia. As proteínas são essenciais para formação e renovação dos tecidos.       
   As proteínas controlam o crescimento, a digestão, a absorção, o transporte, a manutenção da pressão e a formação de anticorpos para defesa das doenças. Quando a necessidade não é suprida, o corpo retira o que precisa dos tecidos, enfraquecendo-se e diminuindo a resistência. Embora existam em outras fontes (proteína animal, levedo de cerveja, gérmen de trigo, gergelim e em todas as sementes que contém óleo), são encontradas em quantidades razoáveis nas hortaliças ervilha, brócolis, couve-flor, beterraba, feijão-vagem, espinafre, batata e batata-doce. 
    Os carbohidratos são responsáveis pela energia e pela força para as atividades mentais e para o trabalho. Porém, o que se consome em excesso é armazenado, dando início ao processo de obesidade. As hortaliças batata e batata-doce são as principais fontes. 
   As fibras são as partes de grãos, vegetais e frutas que não são digeridas pelo organismo humano, passando quase intactas pelo sistema digestivo e são eliminadas pelas fezes. Sem fibra suficiente, o processo digestivo pode ficar lento e a constipação (intestino preso) pode ocorrer. As fibras são importantes para regular a digestão e para prevenir doenças como diverticulite, arteriosclerose, apendicite, varizes, hemorróidas e certos tipos de tumores intestinais, além de auxiliar no controle das taxas de colesterol e glicose. Uma dieta rica em fibras e pobre em gorduras pode reduzir o risco de certos tipos de câncer, doenças do coração e diabetes de adulto. Alimentos ricos em fibras podem, ainda, ser úteis no controle de peso, prevenindo e tratando a obesidade. Os alimentos ricos em fibras saciam mais (ficando mais tempo no estômago) do que os alimentos refinados e, com isso, a tendência é ingerir menos calorias. Estão presentes em quantidades razoáveis nas hortaliças abóbora, almeirão, alface, aipo, agrião, chicória, cebola, couve, espinafre, jiló, pimentão e cenoura crua. Estima-se que um adulto deve ingerir 5 a 8g de fibras por dia, obtidas com o consumo diário somente de hortaliças. Existem certos alimentos que, em termos de nutrição, são mais completos do que outros. São alimentos que estão repletos de vitaminas, minerais e antioxidantes que beneficiam a saúde. Por isso, um grupo de 20 são chamados de "superalimentos". Dentre estes, destacam-se 12 hortaliças (pimenta, tomate, brócolis, cebola, batata-doce, cenoura, morango, agrião, couve-de-bruxelas, repolho, alho e espinafre) e cinco frutas (kiwi, manga, castanha-do-pará, oliva e laranja). Estas hortaliças e frutas fazem parte de uma lista dos melhores alimentos para uma vida saudável, publicada pelo World Câncer Research Fund - WCRF-UK, uma entidade com base na Inglaterra, dedicada unicamente à prevenção de câncer pelo uso de dietas saudáveis associadas a estilos de vida. 

.Terapia ocupacional
   Cada vez mais tem sido importante a ocupação para as pessoas de todas as faixas de idade viverem mais e melhor. A horta, quando conduzida com prazer, é uma terapia eficiente para afastar problemas como estresse, depressão e outros. A violência e a dependência química podem começar com a ociosidade – especialistas que trabalham com meninos e meninas e seus relacionamentos com o crime acreditam que um período na escola é pouco para mantê-los longe da violência e dos vícios. No resto do dia é preciso ocupá-los com atividade saudáveis. A ocupação do tempo ocioso na condução de uma horta em instituições de caridade, penitenciárias, instituições de saúde (Figura 2) e outros é essencial para as pessoas sentirem-se úteis e melhorar a auto-estima.

Figura 2. Horta orgânica do CAPS – Centro de Atenção Psicossocial, em Urussanga, SC, conduzida pelos usuários e voluntários
  
    Segundo especialistas, o contato com plantas funciona muito bem como terapia ocupacional porque a grande dificuldade, especialmente do idoso, é não ter o que fazer. Quando assume a responsabilidade de cuidar de uma planta, a pessoa se sente muito bem porque vê os resultados. O fato de preparar o solo, semear, observar o crescimento, colher e consumir hortaliças e frutas frescas, saudáveis, sem adubos químicos e agrotóxicos, é uma experiência fantástica. Além disso, proporciona salutar exercício ao ar livre, atividade importante para prevenção de doenças.

 . Educacional
   Além de produzir hortaliças para auto-abastecimento, a horta pode contribuir para integrar os objetivos do processo ensino-aprendizagem na escola, incentivando alunos e professores com relação à participação, à preservação ambiental e à mudança de hábitos e de atitudes relacionados à educação alimentar de alunos e suas famílias.
Figura 3. Horta escolar

. Econômica 
    A horta doméstica ou comunitária objetiva também aumentar a renda da família ou de grupos de famílias ou, ainda, reduzir custos com sua alimentação e nas instituições que prestam serviços à comunidade, pois tudo que é produzido não se compra, evitando-se a saída de dinheiro. Na escola, além da importância educacional, a horta orgânica visa também melhorar a qualidade da merenda, acrescentando mais vitaminas e sais minerais, além de reduzir a despesa com a compra de alimentos. O aspecto econômico mais importante que não é contabilizado, mas deve ser levado em conta, é a saúde. As vitaminas, os sais minerais e as fibras, presentes em quantidades suficientes nas hortaliças, previnem as doenças e, com isso economiza-se com médicos e medicamentos.

. Medicinal 
   As hortaliças, além de serem reconhecidas pelo valor nutricional, possuem propriedades terapêuticas (Tabela 1). O consumo de hortaliças tem sido fortemente relacionado com a diminuição de riscos de doenças degenerativas. O licopeno (carotenóide), fitoquímico encontrado em algumas hortaliças, destaca-se pela eficiência como antioxidante natural e sua possível ação contra os câncer de próstata, de estômago e de pulmão. Pesquisa realizada na Alemanha e publicada no Journal of Nutrition, sugere que o licopeno pode trazer benefícios contra a hiperplasia benigna da próstata (BPH), a qual afeta mais da metade dos homens na faixa etária dos 50 anos. A fonte de licopeno mais conhecida é o tomate, mas também é encontrado na goiaba vermelha, no mamão vermelho, na melancia e na pitanga. Trabalho publicado na Revista Instituto Adolfo Lutz revela que a melancia tem conteúdo de licopeno semelhante ao encontrado no tomate e maior do que no mamão. Pesquisa feita nos Estados Unidos e publicada no Journal of National Câncer Institute, envolvendo 1300 voluntários e seus hábitos alimentares, sugere que o consumo regular de brócolis e couve-flor reduz o risco do homem desenvolver formas agressivas de câncer de próstata. Outra pesquisa realizada no mesmo país revelou que o consumo regular de alho, cru ou cozido, pode diminuir pela metade o risco de câncer de estômago. Os sucos de frutas e de hortaliças podem ser uma excelente forma para evitar os problemas do mal de Alzheimer, doença neurológica, progressiva e incurável que causa perda de memória e pode levar à morte. Os últimos estudos em animais evidenciam que os antioxidantes polifenóis, presentes na casca de hortaliças e frutas, neutralizam as decadências intelectual e física, típicas do envelhecimento. 
    De acordo com médicos naturalistas, a beringela é excelente para a pressão alta, ajuda a regular os níveis de colesterol e triglicerídios, além de outras propriedades terapêuticas. Para baixar a pressão, recomenda-se bater no liquidificador uma berinjela pequena com um copo de água, coar e tomar em jejum todos os dias; essa receita ainda é indicada para quem faz regime de emagrecimento podendo-se, neste caso, acrescentar suco de laranja.
Figura 4. Beringela e cebola: excelentes para regular o colesterol
Figura 5. Agrião, alho e rúcula: indicados para diabete
Figura 6. Beterraba: essencial para o combate da anemia

Tabela 1. Propriedades medicinais, parte utilizada e uso das principais hortaliças.
 1 As mulheres grávidas devem consumir pouco o agrião, pois pode provocar o aborto.
 2 A coloração rosa ou avermelhada na urina ou nas fezes depois de comer beterraba é normal um a dois dias após, pois a betacianina, pigmento vermelho das beterrabas passa pelo sistema digestivo sem ser decomposta.
3 Não se recomenda para quem sofre de ácido úrico, gota e cálculos renais.
Fonte: Irmão Cirilo (1997) e Irmã Eva Michalak (1997).








Ferreira On 7/03/2011 02:01:00 PM 9 comments

9 comentários:

  1. Gostaria de acrescentar, que um dos melhores, se não o melhora fertilizante orgânico que existe, é o Húmus, pelas suas propriedades naturais....querem plantas e hortas saudáveis, apliquem húmus nelas....fica aí a dica.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo trabalho. Muito informativo, parabens!!!
    http://guiadahorta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ótimo trabalho, mas quais foram as referências?

    ResponderExcluir
  4. A referência principal é o livro publicado pela Epagri:

    SILVA, A.C.F. da; DELLA BRUNA, E. Cultive uma horta e um pomar orgânico: sementes e mudas para preservar a biodiversidade. Florianópolis:Epagri, 2009. 312p.

    Caso esteja interessado em adquirir o livro, entre no site da Epagri: www.epagri.sc.gov.br , no link publicações. O custo da publicação é de 30,00.

    ResponderExcluir
  5. Será???? Acho que vou aderir a ideia de plantar em tudo que é canto... é bom e bem.

    ResponderExcluir
  6. usei para um trabalho da escola lgl


    LOLLLLLLLL ,,
    /65655656 BRINQS

    ResponderExcluir
  7. SHOW MUITO LEGAL USEI NUM TRABALHO DA
    ESCOLA LGL
    GOSTEI MUITO

    ResponderExcluir

domingo, 3 de julho de 2011

Importância da horta orgânica


   As hortaliças, abrangendo mais de 100 espécies, são consumidas cruas, cozidas, industrializadas e como condimentos. Muitas são de conhecimento público, mas algumas só aparecem em mercados regionais fazendo parte de pratos típicos. A horta é essencial para a melhoria da qualidade de vida das famílias. A horta é importante sob o ponto de vista nutricional, como forma de terapia ocupacional, na melhoria do hábito de consumo das pessoas, na economia das famílias e até na manutenção e/ou melhoria da saúde e prevenção de doenças. É importante destacar, no entanto, que todos os benefícios proporcionados pela horta deixam de existir se forem utilizados agrotóxicos e adubos químicos. As hortaliças contaminadas provocam intoxicações nas pessoas e, especialmente, em pacientes internados e/ou usuários de instituições de saúde, podem causar graves danos a saúde destas pessoas pois, podem alterar os efeitos dos medicamentos. Relatório de 2009 da Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, revela que 907 (29%) amostras de um total de 3.130 amostras coletadas no Brasil, incluindo todas as espécies pesquisadas, estavam contaminadas, alcançando no pimentão, uva, pepino, morango, couve, abacaxi, mamão, alface, tomate e beterraba até 80; 56,4; 54,8; 50,8; 44,2; 44,1; 38,8; 38,4; 32,6 e 32% de amostras contaminadas, respectivamente. Os agrotóxicos encontrados nestes cultivos, são ingredientes ativos com alto grau de toxicidade aguda comprovada, e que causam problemas neurológicos, reprodutivos, de desregulação hormonal e até câncer.

 . Importância nutricional
   Tudo o que se come são alimentos, que são compostos de substâncias denominadas nutrientes. Nutriente é a parte do alimento que vai exercer uma função de nutrição, no corpo humano. Os principais nutrientes são: glicídios (açúcares e amido), lipídios (gorduras), proteínas, minerais (cálcio, fósforo e ferro), vitaminas (A,B,C,E e K) e água. Os nutrientes essenciais ao organismo fornecem energia e desempenham função construtora, formando o sangue, os músculos e os órgãos, garantindo o crescimento e o desenvolvimento físico e mental. Outros, ainda, regulam e estimulam muitas funções que mantêm o perfeito funcionamento do corpo humano.
   É importante lembrar que as vitaminas não se acumulam no organismo, por isso é necessário o consumo diário de hortaliças e frutas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um consumo de vegetais superior a 400g/pessoa/dia para se preservar e/ou incrementar a saúde.
  Convém, também, ressaltar que o hábito de consumo de hortaliças pode ser desenvolvido através da educação e até por insistência. Quase sempre, a insistência no consumo proporciona bons resultados e pode inclusive levar as pessoas a não dispensarem mais as hortaliças e frutas durante as refeições e os lanches. As crianças nascem sem gostar de sabores amargos, como o do brócolis. Se os pais quiserem que seus filhos aprendam a gostar de vegetais, principalmente os verde-escuros, precisam dar a eles oportunidades para prová-los.
   Uma pesquisa publicada na revista americana "Pediatrics" sugere que os bebês podem se acostumar a comer hortaliças mesmo antes de nascer, com a ajuda das mães. Segunda essa pesquisa, o gosto das frutas e das hortaliças passa para o líquido amniótico, no útero, ainda durante a gravidez, e também para o leite materno, no período de amamentação. As crianças "aprendem" a gostar das hortaliças por serem expostas ao gosto, com freqüência, desde pequenas. Os sabores da dieta materna são transmitidos pelo líquido amniótico e pelo leite materno. É importante que a mãe coma de maneira regular hortaliças, para que o bebê aprenda a gostar destes alimentos.
   As hortaliças são ricas em vitaminas e sais minerais, com bom teor de proteínas e fibras, além de outras virtudes dietéticas e até terapêuticas. Por isso, é comum os médicos incluí-las em regimes alimentares e na composição do cardápio diário.
   A vitamina A (vitamina da beleza) é essencial para a saúde dos olhos, pele, dentes e cabelos, atuando sobre o crescimento e aumentando a resistência do organismo às doenças. Nas hortaliças, as fontes mais significativas são: abóbora, agrião, alface, batata-doce, cenoura (Figura 1), couve, espinafre, pimentão, tomate, salsa e feijão-vagem.


Figura 1. Cenoura: hortaliça rica em vitamina A (a vitamina da beleza)

   A vitamina C, fundamental para aumentar a resistência do organismo às infecções, principalmente aos resfriados, é encontrada, especialmente nas frutas. As hortaliças (batata-doce, brócolis, couve, couve-flor, espinafre, ervilha, pimentão, quiabo, repolho, tomate e vagem) também possuem quantidades razoáveis de vitamina C. O organismo humano necessita de 75 mg de vitamina C por dia. 
   A vitamina B estimula o apetite, auxilia no crescimento, facilita a digestão, ajuda no funcionamento normal dos nervos e fortalece a pele e os cabelos. É encontrada em quantidade suficiente para completar as necessidades diárias do organismo humano, nas hortaliças: agrião, alface, beterraba, cenoura, couve-flor, ervilha, espinafre, pimentão, quiabo, repolho e feijão-vagem. 
    A vitamina E, importante para prevenir distúrbios cardiosvasculares e neurológicos, além de acelerar a cicatrização de ferimentos e aumentar a fertilidade, é encontrada, principalmente nas hortaliças alface e repolho . 
   A vitamina K, essencial para a biossíntese de vários fatores necessários para a coagulação do sangue e para a mineralização dos ossos, está presente nas hortaliças alface, couve, couve-flor, ervilha, espinafre, repolho e tomate. 
   Os sais minerais, reguladores que o organismo necessita em pequenas quantidades, como o cálcio, essencial para a formação de ossos e dentes, está presente em teor considerável nas hortaliças brócolis, couve, couve-flor e rabanete; o ferro, existente nas hortaliças couve, espinafre e beterraba faz parte do sangue, sendo que sua participação na dieta alimentar diária previne a anemia. As proteínas são essenciais para formação e renovação dos tecidos.       
   As proteínas controlam o crescimento, a digestão, a absorção, o transporte, a manutenção da pressão e a formação de anticorpos para defesa das doenças. Quando a necessidade não é suprida, o corpo retira o que precisa dos tecidos, enfraquecendo-se e diminuindo a resistência. Embora existam em outras fontes (proteína animal, levedo de cerveja, gérmen de trigo, gergelim e em todas as sementes que contém óleo), são encontradas em quantidades razoáveis nas hortaliças ervilha, brócolis, couve-flor, beterraba, feijão-vagem, espinafre, batata e batata-doce. 
    Os carbohidratos são responsáveis pela energia e pela força para as atividades mentais e para o trabalho. Porém, o que se consome em excesso é armazenado, dando início ao processo de obesidade. As hortaliças batata e batata-doce são as principais fontes. 
   As fibras são as partes de grãos, vegetais e frutas que não são digeridas pelo organismo humano, passando quase intactas pelo sistema digestivo e são eliminadas pelas fezes. Sem fibra suficiente, o processo digestivo pode ficar lento e a constipação (intestino preso) pode ocorrer. As fibras são importantes para regular a digestão e para prevenir doenças como diverticulite, arteriosclerose, apendicite, varizes, hemorróidas e certos tipos de tumores intestinais, além de auxiliar no controle das taxas de colesterol e glicose. Uma dieta rica em fibras e pobre em gorduras pode reduzir o risco de certos tipos de câncer, doenças do coração e diabetes de adulto. Alimentos ricos em fibras podem, ainda, ser úteis no controle de peso, prevenindo e tratando a obesidade. Os alimentos ricos em fibras saciam mais (ficando mais tempo no estômago) do que os alimentos refinados e, com isso, a tendência é ingerir menos calorias. Estão presentes em quantidades razoáveis nas hortaliças abóbora, almeirão, alface, aipo, agrião, chicória, cebola, couve, espinafre, jiló, pimentão e cenoura crua. Estima-se que um adulto deve ingerir 5 a 8g de fibras por dia, obtidas com o consumo diário somente de hortaliças. Existem certos alimentos que, em termos de nutrição, são mais completos do que outros. São alimentos que estão repletos de vitaminas, minerais e antioxidantes que beneficiam a saúde. Por isso, um grupo de 20 são chamados de "superalimentos". Dentre estes, destacam-se 12 hortaliças (pimenta, tomate, brócolis, cebola, batata-doce, cenoura, morango, agrião, couve-de-bruxelas, repolho, alho e espinafre) e cinco frutas (kiwi, manga, castanha-do-pará, oliva e laranja). Estas hortaliças e frutas fazem parte de uma lista dos melhores alimentos para uma vida saudável, publicada pelo World Câncer Research Fund - WCRF-UK, uma entidade com base na Inglaterra, dedicada unicamente à prevenção de câncer pelo uso de dietas saudáveis associadas a estilos de vida. 

.Terapia ocupacional
   Cada vez mais tem sido importante a ocupação para as pessoas de todas as faixas de idade viverem mais e melhor. A horta, quando conduzida com prazer, é uma terapia eficiente para afastar problemas como estresse, depressão e outros. A violência e a dependência química podem começar com a ociosidade – especialistas que trabalham com meninos e meninas e seus relacionamentos com o crime acreditam que um período na escola é pouco para mantê-los longe da violência e dos vícios. No resto do dia é preciso ocupá-los com atividade saudáveis. A ocupação do tempo ocioso na condução de uma horta em instituições de caridade, penitenciárias, instituições de saúde (Figura 2) e outros é essencial para as pessoas sentirem-se úteis e melhorar a auto-estima.

Figura 2. Horta orgânica do CAPS – Centro de Atenção Psicossocial, em Urussanga, SC, conduzida pelos usuários e voluntários
  
    Segundo especialistas, o contato com plantas funciona muito bem como terapia ocupacional porque a grande dificuldade, especialmente do idoso, é não ter o que fazer. Quando assume a responsabilidade de cuidar de uma planta, a pessoa se sente muito bem porque vê os resultados. O fato de preparar o solo, semear, observar o crescimento, colher e consumir hortaliças e frutas frescas, saudáveis, sem adubos químicos e agrotóxicos, é uma experiência fantástica. Além disso, proporciona salutar exercício ao ar livre, atividade importante para prevenção de doenças.

 . Educacional
   Além de produzir hortaliças para auto-abastecimento, a horta pode contribuir para integrar os objetivos do processo ensino-aprendizagem na escola, incentivando alunos e professores com relação à participação, à preservação ambiental e à mudança de hábitos e de atitudes relacionados à educação alimentar de alunos e suas famílias.
Figura 3. Horta escolar

. Econômica 
    A horta doméstica ou comunitária objetiva também aumentar a renda da família ou de grupos de famílias ou, ainda, reduzir custos com sua alimentação e nas instituições que prestam serviços à comunidade, pois tudo que é produzido não se compra, evitando-se a saída de dinheiro. Na escola, além da importância educacional, a horta orgânica visa também melhorar a qualidade da merenda, acrescentando mais vitaminas e sais minerais, além de reduzir a despesa com a compra de alimentos. O aspecto econômico mais importante que não é contabilizado, mas deve ser levado em conta, é a saúde. As vitaminas, os sais minerais e as fibras, presentes em quantidades suficientes nas hortaliças, previnem as doenças e, com isso economiza-se com médicos e medicamentos.

. Medicinal 
   As hortaliças, além de serem reconhecidas pelo valor nutricional, possuem propriedades terapêuticas (Tabela 1). O consumo de hortaliças tem sido fortemente relacionado com a diminuição de riscos de doenças degenerativas. O licopeno (carotenóide), fitoquímico encontrado em algumas hortaliças, destaca-se pela eficiência como antioxidante natural e sua possível ação contra os câncer de próstata, de estômago e de pulmão. Pesquisa realizada na Alemanha e publicada no Journal of Nutrition, sugere que o licopeno pode trazer benefícios contra a hiperplasia benigna da próstata (BPH), a qual afeta mais da metade dos homens na faixa etária dos 50 anos. A fonte de licopeno mais conhecida é o tomate, mas também é encontrado na goiaba vermelha, no mamão vermelho, na melancia e na pitanga. Trabalho publicado na Revista Instituto Adolfo Lutz revela que a melancia tem conteúdo de licopeno semelhante ao encontrado no tomate e maior do que no mamão. Pesquisa feita nos Estados Unidos e publicada no Journal of National Câncer Institute, envolvendo 1300 voluntários e seus hábitos alimentares, sugere que o consumo regular de brócolis e couve-flor reduz o risco do homem desenvolver formas agressivas de câncer de próstata. Outra pesquisa realizada no mesmo país revelou que o consumo regular de alho, cru ou cozido, pode diminuir pela metade o risco de câncer de estômago. Os sucos de frutas e de hortaliças podem ser uma excelente forma para evitar os problemas do mal de Alzheimer, doença neurológica, progressiva e incurável que causa perda de memória e pode levar à morte. Os últimos estudos em animais evidenciam que os antioxidantes polifenóis, presentes na casca de hortaliças e frutas, neutralizam as decadências intelectual e física, típicas do envelhecimento. 
    De acordo com médicos naturalistas, a beringela é excelente para a pressão alta, ajuda a regular os níveis de colesterol e triglicerídios, além de outras propriedades terapêuticas. Para baixar a pressão, recomenda-se bater no liquidificador uma berinjela pequena com um copo de água, coar e tomar em jejum todos os dias; essa receita ainda é indicada para quem faz regime de emagrecimento podendo-se, neste caso, acrescentar suco de laranja.
Figura 4. Beringela e cebola: excelentes para regular o colesterol
Figura 5. Agrião, alho e rúcula: indicados para diabete
Figura 6. Beterraba: essencial para o combate da anemia

Tabela 1. Propriedades medicinais, parte utilizada e uso das principais hortaliças.
 1 As mulheres grávidas devem consumir pouco o agrião, pois pode provocar o aborto.
 2 A coloração rosa ou avermelhada na urina ou nas fezes depois de comer beterraba é normal um a dois dias após, pois a betacianina, pigmento vermelho das beterrabas passa pelo sistema digestivo sem ser decomposta.
3 Não se recomenda para quem sofre de ácido úrico, gota e cálculos renais.
Fonte: Irmão Cirilo (1997) e Irmã Eva Michalak (1997).








9 comentários:

  1. Gostaria de acrescentar, que um dos melhores, se não o melhora fertilizante orgânico que existe, é o Húmus, pelas suas propriedades naturais....querem plantas e hortas saudáveis, apliquem húmus nelas....fica aí a dica.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo trabalho. Muito informativo, parabens!!!
    http://guiadahorta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ótimo trabalho, mas quais foram as referências?

    ResponderExcluir
  4. A referência principal é o livro publicado pela Epagri:

    SILVA, A.C.F. da; DELLA BRUNA, E. Cultive uma horta e um pomar orgânico: sementes e mudas para preservar a biodiversidade. Florianópolis:Epagri, 2009. 312p.

    Caso esteja interessado em adquirir o livro, entre no site da Epagri: www.epagri.sc.gov.br , no link publicações. O custo da publicação é de 30,00.

    ResponderExcluir
  5. Será???? Acho que vou aderir a ideia de plantar em tudo que é canto... é bom e bem.

    ResponderExcluir
  6. usei para um trabalho da escola lgl


    LOLLLLLLLL ,,
    /65655656 BRINQS

    ResponderExcluir
  7. SHOW MUITO LEGAL USEI NUM TRABALHO DA
    ESCOLA LGL
    GOSTEI MUITO

    ResponderExcluir

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube

Blog Archive

Blogger templates