sábado, 5 de janeiro de 2013




Melancia
Originária da África Tropical, a melancia (Citrullus lanatus L.) tem a forma selvagem encontrada em muitas regiões de clima tropical e subtropical, sendo o fruto redondo e pequeno. A espécie pertence a família das curcubitáceas, assim como a abóbora, moranga, pepino, chuchu e melão. É uma planta rasteira, com folhas grandes e flores pequenas, de cor amarela. O fruto é arredondado ou alongado, com tamanho variável entre 25 e 75cm. A casca é lisa, lustrosa, verde clara ou verde escura, com estrias de um verde mais forte no sentido do comprimento (Figura 1). A planta tem caule rasteiro e ramificado. As folhas são ovais, subdivididas em três lobos, apresentando estruturas em espiral, presas ao caule, denominadas "gavinhas". A polpa é abundante com cor que varia de branco-rósea, amarelada, avermelhada ou purpúrea, com as sementes avermelhadas ou pretas. Há uma variedade de melancia, conhecida como melancia japonesa ou kodama, que tem polpa amarela.
Figura 1. Hortaliça-fruto: melancia

Propriedades nutricionais e terapêuticas: Embora constituída em sua maior parte de água, com pouquíssimas calorias (25 a 30 kcal em 100g), a melancia é nutritiva, pois fornece vitaminas A e C, e sais minerais como o cálcio, fósforo, ferro e potássio. A melancia, assim como o melão, têm alto teor de biovlafonóides, carotenoides e outros pigmentos vegetais que ajudam a proteger contra o câncer e outras doenças. A melancia contém licopeno, um carotenoide que parece reduzir o risco de câncer de próstata. Em geral, a melancia é consumida ao natural, como sobremesa, principalmente no verão. Com sua polpa é possível fazer um excelente suco. Tem propriedades hidratantes (contém cerca de 90% de água). Essa polpa é, também, bastante aquosa, sendo a proporção de água ainda superior à dos melões. Em situações de extremo calor, nada melhor do que uma melancia fresca para repor os líquidos perdidos pela transpiração. Sem dúvida nenhuma, esta é a melhor ocasião e maneira de saboreá-la. Por esse motivo, a melancia é uma das frutas mais refrescantes existentes, superando o melão, por ser menos indigesta. As sementes da melancia são um alimento de grande valor, pois contêm muitos sais minerais, vitaminas, óleos essenciais e proteínas, que são muito importantes para o organismo das pessoas. Sementes cruas e secas, depois de moídas e peneiradas, formam um pó que pode ser misturado a alimentos como massas, sopas, bolos, biscoitos e cuscuzes. O chá das sementes da melancia, secas e trituradas, ajuda no tratamento da pressão alta. O suco, feito com a polpa da melancia, é muito bom, pois elimina o ácido úrico, causador da gota e impede a formação de pedras nos rins; limpa o estômago e os intestinos; ajuda a controlar a pressão alta; diminui a acidez do estômago, conhecida como queima ou azia; ajuda no tratamento da inflamação das vias urinárias; elimina gases e dores intestinais; ajuda no tratamento da bronquite crônica; ajuda no tratamento do reumatismo e da artrite (inflamação nas articulações ou juntas). Para tratar a erisipela (inflamação aguda da pele), deve-se aplicar suco da polpa e da casca da melancia sobre a parte afetada, como cataplasma. A hortaliça ainda permite exercitar a criatividade, conforme pode ser visto nas Figuras 2 e 3.
Figura 2. Arte culinária, utilizando a melancia
Figura 3. Arte culinária, utilizando a melancia

Cultivo: A melancia, como todas as espécies que pertencem a família das cucurbitáceas, não gosta do clima frio, por isso produz melhor no calor e com bastante luz. Agosto e setembro são os meses aconselhados para o plantio no litoral; o ideal é observar a temperatura da região, pois a semente não germina em temperatura inferior a 18ºC.  Ao invés do semeio direto no campo, recomenda-se a produção de mudas em copinhos de papel (ver na matéria "Cultivo orgânico de hortaliças-frutos: parte I" como fazer) ou bandejas de isopor, utilizando-se substrato de boa qualidade e protegidas em abrigo. Este sistema diminui as perdas ou falhas no campo, melhora a uniformidade do estande e permite um melhor controle fitossanitário e manejo das plantas espontâneas. Além disso, os riscos de perdas de plantas devido ao frio excessivo (as plantas não toleram geadas), praticamente não existe, pois as mudas estão protegidas.. Semeia-se 3 sementes por copo e realiza-se o desbaste quando as plantas apresentarem uma folha definitiva, deixando-se 2 mudas por copinho. As mudas devem ser transplantadas quando não houver risco de geadas e tiverem duas folhas e, no máximo no início de surgimento da terceira folha verdadeira. A melancia, embora possa ser produzida em vários tipos de solos, desenvolve-se melhor em solos de textura média, arenosos, profundos, bem drenados e férteis. Deve-se evitar os solos argilosos por serem muito compactados, principalmente nas épocas de seca. Preparo do solo: No Rio Grande do Sul, a melancia é cultivada em solos arenosos, onde o sistema de preparo convencional com aração e gradagens, é o mais usado. O preparo convencional do solo favorece a perda de umidade, tendo em vista que a cultura da melancia não forma um dossel vegetativo capaz de cobrir inteiramente o solo. O solo deve ser preparado com cerca de 2 meses de antecedência com uma aração (apenas superficial) e gradeação, deixando-se alguns torrões de terra para dar sustentação à planta. Em área com boa topografia, deve-se fazer sulcos em duas direções, formando um xadrez; já em terrenos acidentados recomenda-se fazer os sulcos em apenas uma direção, evitando-se, assim, a erosão. O sistema de Plantio Direto ou Semeadura Direta que consiste na manutenção da palha e restos vegetais sobre a superfície do solo, também é recomendado no cultivo de melancia; neste caso, a mobilização do solo ocorre apenas no sulco onde são distribuídas as sementes ou mudas e o adubo orgânico. No Rio Grande do Sul, a principal espécie usada como planta de cobertura no período de inverno é a aveia-preta, devido as seguintes características: rusticidade, a capacidade de perfilhamento, a resistência às pragas e doenças, rapidez na formação da cobertura do solo e a elevada produção de fitomassa, mesmo nos solos pobres em fertilidade, bem como a tolerância à seca, em vista do sistema radicular bastante desenvolvido, eficiência na ciclagem de nutrientes, baixa taxa de decomposição dos resíduos e o elevado efeito alelopático sobre muitas invasoras. Cultivares e híbridos: Os cultivos comerciais de melancia no Brasil são com cultivares de origem americana ou japonesa, que se adaptaram bem às nossas condições edafoclimáticas. No entanto, deve-se considerar que entre estas, a mais plantada é a cultivar Crimson Sweet e tipos semelhantes, que é de origem americana, respondendo praticamente por mais de 90% do fornecimento ao mercado consumidor. A indústria de sementes tem, nos últimos anos, se dedicado ao desenvolvimento de híbridos de melancia, por causa do seu maior retorno comercial aos programas de melhoramento, o que pode ser verificado pelo grande número de cultivares lançadas em todo o mundo tais como: Jetstream, Madera, Starbrite, TopGun entre outros. Os híbridos, cujas sementes são mais caras, geralmente possuem maior precocidade, produtividade e maior uniformidade. Mais recentemente, estão surgindo as melancias sem sementes como os híbridos Tiffany e Shadow; o alto custo das sementes é um fator limitante. Embora os híbridos sejam produtivos, recomenda-se a cultivar Crimson Sweet pelo custo mais barato das sementes e com produtividade semelhante, conforme resultados de pesquisa obtido pela Epagri/Estação Experimental de Urussanga, na propriedade de agricultor em Içara. Os frutos da cultivar Crimson Sweet tem formato arredondado, casca clara com estrias verde-escuro, polpa vermelho intenso muito doce, sendo os frutos de tamanhos médio e grande. Espaçamento:  As covas devem ter no máximo 3 cm de profundidade, no espaçamento de 2 x 2 metros para as variedades japonesas e, de 2 x 2,5 ou 2,5 x 3 metros para as variedades americanas. Após lançar as sementes, deve-se cobrir com terra e cerca de 30 dias depois do plantio, realizar o desbaste, onde as mudas mais fracas são retiradas, ficando somente as vigorosas. O desbaste é feito no sistema de plantio com sementes, quando as plantas apresentarem três a quatro folhas definitivas - entre 10 e 15 dias após o plantio, de acordo com desenvolvimento das mesmas; é realizado eliminando-se as plantas mais raquíticas e mantendo-se o número de plantas por cova pré-estabelecido, de acordo com o espaçamento e a finalidade da produção de frutos. A eliminação das plantas excedentes deve ser feita, preferencialmente, por meio de corte com facas, tesouras ou canivetes. Caso se deseje fazer arranque manual, é preferível fazê-lo logo após a irrigação, para não danificar as demais plantas, ou após uma chuva, se o cultivo for de sequeiro. O desbaste deve ser realizado também com os frutos, para uma boa colheita, ficando somente aqueles mais desenvolvidos (dois por rama). As ramas da melancia crescem arrastando-se pelo solo e procuram os torrões de terra para fixarem-se; é comum ficarem enroscadas umas nas outras. O produtor deve observar e ajudar a planta a se esparramar de maneira uniforme, desembaraçando, sem feri-la.  Condução das ramas ou penteamento: Essa prática consiste no afastamento das ramas para fora dos sulcos de irrigação e das faixas do terreno reservados ao trânsito. Esta operação deve ser feita até três vezes antes da frutificação. Além de facilitar as capinas, as pulverizações e a colheita, evita o apodrecimento dos frutos causado pelo contato com água ou por danos mecânicos. O penteamento, após a frutificação, deve ser evitado, pois pode causar o seu desprendimento. É importante planejar o plantio de maneira que a direção dos ventos facilite o posicionamento das ramas de melancia, evitando-se, assim, o desgaste das plantas por sucessivas operações de penteamento ou movimentação pelos ventos. Polinização: As flores masculinas e femininas de melancia localizam-se separadamente na mesma planta. Cada flor permanece aberta por apenas 1 dia; a abertura ocorre 1 a 2 horas após o aparecimento do sol e, o fechamento, à tarde. As abelhas são os principais agentes polinizadores em melancia, que é uma espécie alógama. A polinização das flores no dia da antese, normalmente, ocorre pela manhã. A presença de abelhas durante a fase de florescimento é fundamental para aumentar a frutificação e a produtividade, melhorando a qualidade dos mesmos e reduzindo o número de frutos defeituosos. Desbaste de frutos: devem ser eliminados todos os frutos defeituosos e com podridão estilar (fundo preto) pois, além de as plantas direcionarem energia para frutos que não serão comercializados, a presença dos mesmos inibirá o pegamento de outros frutos de qualidade na planta. Proteção da parte inferior e posicionamento na vertical dos frutos: Recomenda-se evitar o contato direto dos frutos com o solo, principalmente em épocas chuvosas. Os frutos devem ser calçados com palha de arroz, capim seco ou similar evitando-se o apodrecimento de frutos e a mancha de encosto, o que melhora a cotação do produto no mercado. Outra prática utilizada para melhorar o formato e a qualidade do fruto é colocá-lo na posição vertical — a região apical do fruto voltada para o solo, quando estiver com aproximadamente 20 dias após a polinização das flores. Com esta prática, a mancha de encosto ficará mais discreta, dando uma melhor aparência ao fruto. Rotação de culturas: Depois da colheita, deve-se plantar outra cultura de espécie e família diferentes da melancia, não sendo indicados plantios de melão, abóbora, chuchu, moranga ou pepino na mesma área. O plantio sucessivo de plantas da mesma família na mesma área favorece o ataque de pragas e doenças e, consequentemente, diminui a produção e a qualidade dos frutos. O coquetel vegetal é a mistura de diferentes espécies, normalmente leguminosas e gramíneas, cultivadas antes da espécie a ser plantada ou entre as linhas da cultura principal. Sua utilização tem importância por melhorar a diversidade de espécies na área reduzindo as pressões dos patógenos oportunistas que se encontram no local. Além disso, o uso do coquetel vegetal, principalmente com leguminosas, permite a fixação de nitrogênio no solo e transporte de nutrientes de camadas inferiores para camadas superiores, pela ação dos diferentes sistemas radiculares presentes, melhorando química, física e biologicamente o solo da área. Se o produtor optar por incorporar o coquetel visando à fertilização adicional do solo - leguminosas, é importante fazê-lo com um mínimo de antecedência de 50 dias da data prevista para o plantio da melancia. Caso seja para formar uma densa camada de cobertura morta com gramíneas-, o corte das plantas poderá ser feito próximo ao plantio da melancia, tomando-se o cuidado de fornecer nitrogênio suficiente nas covas, na forma de compostos orgânicos, torta de mamona, biofertilizantes, etc., evitando-se uma competição com as bactérias decompositoras, que atuarão sobre a palhada. Cobertura morta: Espécies de gramíneas possuem baixa velocidade de decomposição da parte aérea e, apesar de suas raízes ocuparem o espaço mais superficial do solo, a parte aérea se mantém por mais tempo sobre o mesmo, formando cobertura morta (mulch), muito recomendado em regiões quentes e secas como no Semiárido nordestino. Também contribuirá no manejo de plantas espontâneas e evitará a formação da mancha de encosto dos frutos. Manejo de doenças e pragas da melancia: Além das recomendações relacionadas na matéria postada no dia 31/10/2012 "Cultivo orgânico de hortaliças frutos - Parte I", outras práticas culturais são importantes, entre as medidas gerais no manejo de doenças e pragas da melancia: a) escolher a área de plantio não contaminada por doenças do solo e fazer rotação de culturas por 3 anos; b) evitar o plantio próximo à áreas cultivadas com melancia e outras espécies da família das cucurbitáceas; c) plantio de sementes ou mudas produzidas por empresas idôneas; d) adubar corretamente, de acordo com a análise do solo e do adubo orgânico, pois as plantas bem nutridas são mais resistentes às pragas e doenças; e) irrigar de forma correta, evitando o excesso de água o solo, pois favorece às doenças; f) controlar os insetos que provocam ferimentos nas plantas, servindo de porta de entrada para as doenças (bactérias, fungos e viroses); g) eliminar os frutos e plantas doentes da área para evitar a transmissão para as plantas sadias e h) eliminar os restos culturais após a última colheita.
Colheita: A colheita é feita cerca de 100 dias após plantio Quando as flores abrirem, elas indicam que aproximadamente 40 a 45 dias, os frutos estarão no ponto para serem colhidos. Mas há outros meios que identificam os frutos maduros: a) Ao bater com dedos no fruto e este emitir um som oco, está maduro (som metálico, ainda está verde); b) O fruto fica pálido e a casca está mais resistente a pressões; c) A gavinha próxima ao pendúnculo fica seca; d) A parte da casca que fica em contato com o solo, que antes era branca, fica amarelada. Colher os frutos maduros nas primeiras horas do dia, cortando o pendúnculo com uma faca afiada, à cerca de 5 cm da fruta, para evitar a penetração de fungos que apodrecem a melancia durante a armazenagem. Devem ser armazenadas deitadas, nunca em pé, e como não são colocadas em caixas, todo o cuidado é necessário ao transportá-las. No caminhão, a carroceria deve ficar forrada com 10 cm de capim seco, e as bordas protegidas. Também entre uma camada e outra, é recomendado proteger os frutos com palha ou saco de estopa. Não se aproveita os frutos rachados ou cortados durante o transporte. Fora da geladeira, a melancia se conserva bem durante uma semana, se guardada em lugar fresco e arejado. Depois de cortada, deve ser conservada na geladeira, envolvida em plástico ou papel alumínio, para evitar que absorva o odor de outros alimentos.


Melão
Embora conhecido e comercializado como fruta, o melão (Cucumis melo L.) é uma hortaliça-fruto, assim como a melancia e o morango. Assim como a melancia, pertence à família Cucurbitaceae, a mesma do chuchu, abóbora, moranga, melancia e pepino. De folhas grandes e flores amarelas, suas plantas são rasteiras e se desenvolvem bem em locais com insolação, dias longos, ar seco e sem ventos fortes. É uma hortaliça-fruto originária da África e Ásia, cuja introdução no Brasil foi feita por imigrantes europeus, tendo introduzido seu cultivo em meados da década de 60, no Rio Grande do Sul. Foi na Índia que ocorreu sua dispersão, espalhando-se para todas as direções. Hoje encontramos cultivares de melão em diversas regiões do mundo, desde os países mediterrâneos, centro e leste da Ásia, sul e centro da América e também o centro e sul da África. Esta amplitude de regiões de cultivo é conseqüência de uma grande variabilidade genética que tem permitido a adaptação de diferentes tipos de melão em condições agronômicas diversas, de tal maneira que hoje podemos encontrar em todos os mercados do mundo, melão com diferentes cores, formato e aroma. Nas Américas, o melão foi introduzido por intermédio de Cristóvão Colombo e a partir dessa época, passou a ser utilizado pelos índios, sendo rapidamente espalhado por todo o continente.
 Figura 4. Hortaliça-fruto: melão, pertencente ao grupo inodoros (tipo amarelo), o mais cultivado no Brasil

Propriedades nutricionais e terapêuticas: O melão, assim como a melancia, é altamente nutritivo e refrescante. O melão é rico em vitaminas A, B, B2, B5 e C, sais minerais como potássio, sódio e fósforo, apresenta valor energético relativamente baixo (20 a 62 kcal/100g de polpa); é consumido in natura ou na forma de suco e como ingrediente de saladas com frutas ou outras hortaliças. O fruto maduro tem propriedades medicinais, sendo considerado calmante, refrescante, diurético e laxante. Ele é também recomendado para o controle de gota, reumatismo e problemas renais. O melão, assim como a melancia, têm alto teor de biovlafonóides, carotenoides e outros pigmentos vegetais que ajudam a proteger contra o câncer e outras doenças. Embora a polpa de melão não contenha fibras insolúveis, contém pectina, uma fibra solúvel que ajuda manter o nível de colesterol no sangue sob controle.
Cultivo: Desenvolve-se bem em lugares de clima quente e seco, com alta luminosidade. Temperaturas elevadas associadas à alta luminosidade, baixa umidade relativa e umidade do solo adequada, proporcionam as condições climáticas necessárias para a boa produtividade da cultura e para a obtenção de frutos de ótima qualidade (aumenta o conteúdo de açúcares, melhora o aroma, o sabor e a consistência dos frutos). A temperatura é o principal fator climático que afeta diretamente o meloeiro. Ela influencia no teor de açúcar (ºBrix), sabor, aroma e na consistência do fruto, fatores importantes para a comercialização e principalmente a exportação. O °brix é usado também como índice de classificação de melão de acordo com seu teor de açúcar, sendo menor que 9 ºbrix considerado como não comercializável, de 9 a 12 como comercializável, e acima de 12º brix como melão extra. Em geral, nas regiões de clima frio, o plantio de melão deve ser feito de outubro à fevereiro, enquanto que em clima ameno, de agosto à março e no clima quente, durante o ano todo, evitando-se as épocas de chuvas intensas. A temperatura ideal para o bom desenvolvimento do melão varia de 20 a 30º C. Sob baixas temperaturas (15 à 20ºC), a ramificação do meloeiro é afetada resultando em plantas pouco desenvolvidas e baixas produtividade. Em temperatura elevada acima de 35ºC, estimula a formação de flores masculinas, e especialmente quando acompanhada por ventos fortes, pode ocorrer ruptura da casca dos frutos nos pontos mais fracos. Em temperaturas abaixo de 12ºC, o crescimento vegetativo é paralisado. O meloeiro não tolera ventos frios e geadas. A combinação de alta temperatura com alta luminosidade e baixa umidade relativa favorece ao estabelecimento do meloeiro e ao aumento de produtividade com maior número de frutos de qualidade comercial. A faixa ótima de umidade relativa do ar para o desenvolvimento do meloeiro situa-se de 65% a 75%. Em condições de umidade do ar elevada promovem a formação de frutos de má qualidade e propiciam a disseminação de doenças na cultura. Os melões produzidos nessas condições são pequenos e de sabor inferior, geralmente com baixo teor de açúcares, devido à ocorrência de doenças. O melão prefere solos férteis de textura média (franco-arenoso ou areno-argilosos), soltos, profundos (80 cm ou mais) e bem drenados. Cultivares:  Dentre as variedades de melão existem seis tipos que são cultivados no Brasil em escala comercial. No Brasil, planta-se principalmente cultivares de melão do grupo Inodorus, tipo "amarelo"; entretanto, há uma tendência de mercado no aumento da demanda por melões do grupo Cantalupensis, aromáticos, com bom sabor e maior teor de açúcar (°Brix). Os melões do tipo "Pele de Sapo", "Gália" e "Charentais", são os preferidos do mercado europeu. Tipo Amarelo: Pertence ao grupo dos inodorus e é também conhecido como melão espanhol; tem casca amarela e polpa variando de branca a creme e os frutos apresentam formato redondo ovalado e são os mais resistentes ao manuseio. Pele de sapo: Pertence ao grupo dos inodorus. recebeu este nome pela coloração de sua casca; verde-clara com manchas verde-escuras, levemente enrugada e dura, com polpa creme esverdeada. Dentre os melões comercializados, é o tipo de maior tamanho. As principais cultivares estão descritas a seguir. AF-682 – cultivar híbrido tipo "amarelo", com boa tolerância ao vírus do mosaico do mamoeiro, estirpe melancia (PRSV – W) e raça 1 de oídio; os frutos tem formato elíptico, casca amarelada levemente enrugada, cavidade interna pequena, uniforme, peso médio de 1,5 kg, sabor extremamente doce e precocidade de colheita em torno de 75 dias após a semeadura. AF-646 - cultivar híbrido tipo "amarelo", com boa tolerância ao vírus do mosaico do mamoeiro, estirpe melancia (PRSV – W) e raça 1 de oídio; os frutos tem formato elíptico, casca amarelada levemente enrugada, cavidade interna pequena, uniforme, peso médio de 1,4 kg, sabor extremamente doce e precocidade de colheita. Gold Mine – Cultivar híbrido tipo "amarelo", muito produtivo, tendo apresentado boa tolerância em campo às raças 1 e 2 de oídio, 0, 1 e 2 de fusarium e míldio; os frutos tem formato redondo-ovalado, de cor amarelo-dourada, casca levemente enrugada, muito firme, polpa creme-esverdeada, grossa, crocante e doce, teor de açúcar médio de 10 °Brix, pequena cavidade de sementes e peso variando de 1,5 a 2,0 kg. A colheita precoce ocorre, em geral, aos 60-65 dias do plantio. Tendency – Cultivar híbrido tipo pele de sapo recém lançada, plantas vigorosas e abundante cobertura foliar que protege os frutos de queimaduras causadas pelo sol, além de alta produtividade; apresenta alta qualidade de frutos, sendo o formato redondo/ovalado, peso médio de 1,3 kg, casca enrugada, coloração verde com manchas verde-escuras e amarelas, polpa espessa e crocante de coloração creme-verde-clara, pequena cavidade de sementes, excelente sabor e alto ºbrix com precocidade de colheita aos 55-60 dias. Honeydew – Cultivar de polinização aberta (andromonóica), boa conservação pós-colheita, recomendada para o mercado de exportação dos Estados Unidos, principalmente; colheita tardia entre 70 e 80 dias, produzindo frutos sem odor, casca bem lisa de coloração branco-creme brilhante, formato globular, peso médio de 1,5 kg, polpa esverdeada, suculenta, de textura fina e doce. Uma característica do tipo honeydew é que o fruto não se destaca da rama como em outros tipos necessitando o corte com tesoura. Hy-Mark – Cultivar híbrido, tipo Cantalupensis, muito produtivo, com alto pegamento de frutos; os frutos de formato levemente ovalado/arredondado, peso entre 1,4-1,5 kg, com casca reticulada, sem suturas e polpa de cor salmão muito forte, pequena cavidade de sementes, sabor muito doce e muito aromático. Altamente resistente a oídio raça 1 e tolerante a aplicação de enxofre. A maturação ocorre aos 62-67 dias, aproximadamente, acompanhada do início de desprendimento do pedúnculo. Adubação e correção do solo: de acordo com a análise do solo e do adubo orgânico; o melão é muito exigente na correção da acidez do solo, comportando-se melhor quando o pH estiver entre 6,0 e 7,5. O preparo do solo deve constar de uma aração média, em torno de 30 cm de profundidade, e uma gradagem feita no sentido perpendicular. Deve-se evitar o destorroamento excessivo do solo, deixando-se os torrões que servem para fixação das gavinhas e, ainda, reduzem a área de contato do fruto com a superfície do solo, diminuindo, portanto, a formação da "mancha de encosto". Esta mancha, quando acentuada, deprecia a qualidade comercial do melão. Outra opção que tem a vantagem de diminuir a infestação das plantas espontâneas, cobrir o solo , melhorar a fertilidade do solo e ainda manter a umidade do solo é o consórcio com adubos verdes (ver as recomendações no cultivo da melancia e também a matéria "Cultivo orgânico de hortaliças-frutos: Parte I). Os frutos não devem ficar em contato com o solo, meio que facilita o ataque de pragas e doenças, além de manchas brancas, que também podem surgir na casca do melão, por isso, o consórcio com adubos verdes é recomendável. Espaçamento e plantio: em pequenas áreas, as medidas para a cultura do melão são de 2 metros entre fileiras e de 0,3 a 0,5 m entre plantas (10.000 a 16.666 plantas/ha). Os produtores que cultivam áreas extensas, com alto nível de tecnologia, têm adotado espaçamento de 2,0 a 3,0 metros entre fileiras e de 0,12 a 0,50 metro dentro das fileiras (duas a oito plantas/m linear), deixando, normalmente, uma planta por cova. Assim como a melancia, o melão normalmente é semeado diretamente nas covas. No entanto, devido ao preço das sementes híbridas e também aos maiores cuidados e mão-de-obra necessárias neste sistema de plantio, cada vez mais tem sido preferido a produção de mudas em recipientes (bandejas de isopor, tubetes, copinhos de papel) protegidas por abrigos, para posterior transplante (ver na matéria "Cultivo orgânico de hortaliças-frutos: parte I" como fazer as mudas). É necessário ter cuidado para não passar do momento exato do transplantio, que não deve exceder o período da emissão da primeira folha definitiva (15 dias após semeadura). Para a semeadura direta é necessário 1 a 1,5 kg/ha de sementes. Irrigação: gotejamento é o sistema mais utilizado no cultivo do meloeiro nas principais regiões produtoras; consiste na aplicação de água através de gotas próximas às raízes das plantas. As vantagens do sistema de gotejamento são a economia de água, mão-de-obra e alta eficiência. A desvantagem é o alto custo de instalação em relação aos outros sistemas, como também, possíveis problemas de entupimento dos gotejadores. O cultivo de melão necessita ser irrigado com frequência, mas deve ser feito até três dias antes da colheita para aumentar os açúcares nos frutos. Polinização: As flores masculinas e femininas localizam-se separadamente na mesma planta. Cada flor permanece aberta apenas por um dia. A abertura ocorre de uma a duas horas após o aparecimento do sol e o fechamento, à tarde. A polinização é realizada por abelhas, normalmente pela manhã. A presença de abelhas durante a fase de florescimento é fundamental para o pegamento dos frutos e conseqüentemente aumento da produtividade e para diminuir o número de frutos defeituosos. Estresses hídricos e problemas de polinização são as principais causas de frutos mal formados. Poda: Diante de resultados de pesquisa realizada pela Embrapa Semi-Árido, não recomenda-se fazer a prática da poda, tendo como desvantagens a elevação dos custos de produção, além de facilitar a disseminação do vírus (PRSV-w) durante a operação da poda, não sendo observado aumento da produtividade de frutos. A operação de raleio, desbaste ou raleamento de frutos é uma prática efetuada com a finalidade de melhorar o tamanho e a qualidade dos frutos produzidos. Recomenda-se a eliminação dos frutos mal formados o mais cedo possível (o tamanho máximo é quando o fruto está do tamanho de uma bola de tênis). Outras causas são em decorrência de pragas, doenças, formato ou cicatriz estilar grande. O manejo de plantas espontâneas pode ser feito através de cultivos mecânicos ou a tração animal entre linhas e manualmente (enxada) entre as plantas, tantas vezes quantas forem necessárias para manter a cultura sem a competição das plantas espontâneas. Com o desenvolvimento das plantas, as capinas devem ser manuais (enxada) e localizadas, para evitar o manuseio das ramas. O sistema de plantio de melão consorciado com adubos verdes, evita a infestação de plantas espontâneas, além de outras vantagens. Calçamento dos frutos é uma prática comum no interior de São Paulo. Consiste em calçar o fruto com dois pedaços de bambu, palha ou capim seco, para não haver o contato direto dos frutos com o solo, evitando o apodrecimento dos mesmos (principalmente na época chuvosa, na fase próxima à colheita), em decorrência de pragas, tais como broca das hastes e broca das cucurbitáceas. Essa prática reduz, também, a mancha de encosto. O calçamento dos frutos seria ideal, porém, torna-se impraticável quando se cultiva áreas extensas. Manejo de doenças e pragas do melão: em geral, as recomendações para a melancia também vale para o melão; ver na matéria postada anteriormente "Cultivo orgânico de hortaliças-frutos: Parte I", o manejo de algumas pragas e doenças com produtos alternativos que não comprometem o meio ambiente. Rotação de culturas: seguir as mesmas recomendações da cultura da melancia.
Colheita: O ideal, considerando-se o aspecto do teor de açúcares e sabor, é a colheita de frutos completamente maduros. Entretanto, neste estágio, os frutos são recomendáveis apenas para a comercialização em mercados locais. Como o melão não contém amido (que é convertido em açúcar), ele não continua a amadurecer após ser colhido; portanto, o melão colhido antes de estar totalmente maduro nunca atinge o seu melhor sabor. Para selecionar um melão maduro, procure na área do talo uma cicatriz lisa e ligeiramente funda. Se houver esta marca quer dizer que o melão está maduro, sendo arrancado facilmente do pé. No entanto, se parte da haste ainda estiver presa à cicatriz, o melão foi colhido enquanto ainda estava verde. Para exportação, os melões do tipo "amarelo" podem ser colhidos quando iniciarem a mudança de coloração, ocasião em que deverão apresentar brix de aproximadamente 10º. Após a colheita, deve-se evitar pancadas e danos nos frutos, que depreciam a qualidade comercial e reduzem o período de conservação. Os frutos são colhidos manualmente, com auxílio de uma faca. Normalmente, os melões do grupo Inodorus (amarelos) tem uma maior conservação que os do grupo Cantalupensis (tipo reticulado).
Ferreira On 1/05/2013 05:29:00 AM 2 comments

2 comentários:

  1. como faço paracultivar melão no meu estado belém do pará nos temos abundacia de espaços nas nossas praças temos sol o ano todo e chuvas tambem

    ResponderExcluir
  2. Prezado Jonatas, tendo em vista que o clima de vocês é bem diferente, sugiro que procures o serviço de extensão rural de seu município, para orientação.

    ResponderExcluir

sábado, 5 de janeiro de 2013

Cultivo orgânico de hortaliças-frutos Melancia e melão – Parte IV




Melancia
Originária da África Tropical, a melancia (Citrullus lanatus L.) tem a forma selvagem encontrada em muitas regiões de clima tropical e subtropical, sendo o fruto redondo e pequeno. A espécie pertence a família das curcubitáceas, assim como a abóbora, moranga, pepino, chuchu e melão. É uma planta rasteira, com folhas grandes e flores pequenas, de cor amarela. O fruto é arredondado ou alongado, com tamanho variável entre 25 e 75cm. A casca é lisa, lustrosa, verde clara ou verde escura, com estrias de um verde mais forte no sentido do comprimento (Figura 1). A planta tem caule rasteiro e ramificado. As folhas são ovais, subdivididas em três lobos, apresentando estruturas em espiral, presas ao caule, denominadas "gavinhas". A polpa é abundante com cor que varia de branco-rósea, amarelada, avermelhada ou purpúrea, com as sementes avermelhadas ou pretas. Há uma variedade de melancia, conhecida como melancia japonesa ou kodama, que tem polpa amarela.
Figura 1. Hortaliça-fruto: melancia

Propriedades nutricionais e terapêuticas: Embora constituída em sua maior parte de água, com pouquíssimas calorias (25 a 30 kcal em 100g), a melancia é nutritiva, pois fornece vitaminas A e C, e sais minerais como o cálcio, fósforo, ferro e potássio. A melancia, assim como o melão, têm alto teor de biovlafonóides, carotenoides e outros pigmentos vegetais que ajudam a proteger contra o câncer e outras doenças. A melancia contém licopeno, um carotenoide que parece reduzir o risco de câncer de próstata. Em geral, a melancia é consumida ao natural, como sobremesa, principalmente no verão. Com sua polpa é possível fazer um excelente suco. Tem propriedades hidratantes (contém cerca de 90% de água). Essa polpa é, também, bastante aquosa, sendo a proporção de água ainda superior à dos melões. Em situações de extremo calor, nada melhor do que uma melancia fresca para repor os líquidos perdidos pela transpiração. Sem dúvida nenhuma, esta é a melhor ocasião e maneira de saboreá-la. Por esse motivo, a melancia é uma das frutas mais refrescantes existentes, superando o melão, por ser menos indigesta. As sementes da melancia são um alimento de grande valor, pois contêm muitos sais minerais, vitaminas, óleos essenciais e proteínas, que são muito importantes para o organismo das pessoas. Sementes cruas e secas, depois de moídas e peneiradas, formam um pó que pode ser misturado a alimentos como massas, sopas, bolos, biscoitos e cuscuzes. O chá das sementes da melancia, secas e trituradas, ajuda no tratamento da pressão alta. O suco, feito com a polpa da melancia, é muito bom, pois elimina o ácido úrico, causador da gota e impede a formação de pedras nos rins; limpa o estômago e os intestinos; ajuda a controlar a pressão alta; diminui a acidez do estômago, conhecida como queima ou azia; ajuda no tratamento da inflamação das vias urinárias; elimina gases e dores intestinais; ajuda no tratamento da bronquite crônica; ajuda no tratamento do reumatismo e da artrite (inflamação nas articulações ou juntas). Para tratar a erisipela (inflamação aguda da pele), deve-se aplicar suco da polpa e da casca da melancia sobre a parte afetada, como cataplasma. A hortaliça ainda permite exercitar a criatividade, conforme pode ser visto nas Figuras 2 e 3.
Figura 2. Arte culinária, utilizando a melancia
Figura 3. Arte culinária, utilizando a melancia

Cultivo: A melancia, como todas as espécies que pertencem a família das cucurbitáceas, não gosta do clima frio, por isso produz melhor no calor e com bastante luz. Agosto e setembro são os meses aconselhados para o plantio no litoral; o ideal é observar a temperatura da região, pois a semente não germina em temperatura inferior a 18ºC.  Ao invés do semeio direto no campo, recomenda-se a produção de mudas em copinhos de papel (ver na matéria "Cultivo orgânico de hortaliças-frutos: parte I" como fazer) ou bandejas de isopor, utilizando-se substrato de boa qualidade e protegidas em abrigo. Este sistema diminui as perdas ou falhas no campo, melhora a uniformidade do estande e permite um melhor controle fitossanitário e manejo das plantas espontâneas. Além disso, os riscos de perdas de plantas devido ao frio excessivo (as plantas não toleram geadas), praticamente não existe, pois as mudas estão protegidas.. Semeia-se 3 sementes por copo e realiza-se o desbaste quando as plantas apresentarem uma folha definitiva, deixando-se 2 mudas por copinho. As mudas devem ser transplantadas quando não houver risco de geadas e tiverem duas folhas e, no máximo no início de surgimento da terceira folha verdadeira. A melancia, embora possa ser produzida em vários tipos de solos, desenvolve-se melhor em solos de textura média, arenosos, profundos, bem drenados e férteis. Deve-se evitar os solos argilosos por serem muito compactados, principalmente nas épocas de seca. Preparo do solo: No Rio Grande do Sul, a melancia é cultivada em solos arenosos, onde o sistema de preparo convencional com aração e gradagens, é o mais usado. O preparo convencional do solo favorece a perda de umidade, tendo em vista que a cultura da melancia não forma um dossel vegetativo capaz de cobrir inteiramente o solo. O solo deve ser preparado com cerca de 2 meses de antecedência com uma aração (apenas superficial) e gradeação, deixando-se alguns torrões de terra para dar sustentação à planta. Em área com boa topografia, deve-se fazer sulcos em duas direções, formando um xadrez; já em terrenos acidentados recomenda-se fazer os sulcos em apenas uma direção, evitando-se, assim, a erosão. O sistema de Plantio Direto ou Semeadura Direta que consiste na manutenção da palha e restos vegetais sobre a superfície do solo, também é recomendado no cultivo de melancia; neste caso, a mobilização do solo ocorre apenas no sulco onde são distribuídas as sementes ou mudas e o adubo orgânico. No Rio Grande do Sul, a principal espécie usada como planta de cobertura no período de inverno é a aveia-preta, devido as seguintes características: rusticidade, a capacidade de perfilhamento, a resistência às pragas e doenças, rapidez na formação da cobertura do solo e a elevada produção de fitomassa, mesmo nos solos pobres em fertilidade, bem como a tolerância à seca, em vista do sistema radicular bastante desenvolvido, eficiência na ciclagem de nutrientes, baixa taxa de decomposição dos resíduos e o elevado efeito alelopático sobre muitas invasoras. Cultivares e híbridos: Os cultivos comerciais de melancia no Brasil são com cultivares de origem americana ou japonesa, que se adaptaram bem às nossas condições edafoclimáticas. No entanto, deve-se considerar que entre estas, a mais plantada é a cultivar Crimson Sweet e tipos semelhantes, que é de origem americana, respondendo praticamente por mais de 90% do fornecimento ao mercado consumidor. A indústria de sementes tem, nos últimos anos, se dedicado ao desenvolvimento de híbridos de melancia, por causa do seu maior retorno comercial aos programas de melhoramento, o que pode ser verificado pelo grande número de cultivares lançadas em todo o mundo tais como: Jetstream, Madera, Starbrite, TopGun entre outros. Os híbridos, cujas sementes são mais caras, geralmente possuem maior precocidade, produtividade e maior uniformidade. Mais recentemente, estão surgindo as melancias sem sementes como os híbridos Tiffany e Shadow; o alto custo das sementes é um fator limitante. Embora os híbridos sejam produtivos, recomenda-se a cultivar Crimson Sweet pelo custo mais barato das sementes e com produtividade semelhante, conforme resultados de pesquisa obtido pela Epagri/Estação Experimental de Urussanga, na propriedade de agricultor em Içara. Os frutos da cultivar Crimson Sweet tem formato arredondado, casca clara com estrias verde-escuro, polpa vermelho intenso muito doce, sendo os frutos de tamanhos médio e grande. Espaçamento:  As covas devem ter no máximo 3 cm de profundidade, no espaçamento de 2 x 2 metros para as variedades japonesas e, de 2 x 2,5 ou 2,5 x 3 metros para as variedades americanas. Após lançar as sementes, deve-se cobrir com terra e cerca de 30 dias depois do plantio, realizar o desbaste, onde as mudas mais fracas são retiradas, ficando somente as vigorosas. O desbaste é feito no sistema de plantio com sementes, quando as plantas apresentarem três a quatro folhas definitivas - entre 10 e 15 dias após o plantio, de acordo com desenvolvimento das mesmas; é realizado eliminando-se as plantas mais raquíticas e mantendo-se o número de plantas por cova pré-estabelecido, de acordo com o espaçamento e a finalidade da produção de frutos. A eliminação das plantas excedentes deve ser feita, preferencialmente, por meio de corte com facas, tesouras ou canivetes. Caso se deseje fazer arranque manual, é preferível fazê-lo logo após a irrigação, para não danificar as demais plantas, ou após uma chuva, se o cultivo for de sequeiro. O desbaste deve ser realizado também com os frutos, para uma boa colheita, ficando somente aqueles mais desenvolvidos (dois por rama). As ramas da melancia crescem arrastando-se pelo solo e procuram os torrões de terra para fixarem-se; é comum ficarem enroscadas umas nas outras. O produtor deve observar e ajudar a planta a se esparramar de maneira uniforme, desembaraçando, sem feri-la.  Condução das ramas ou penteamento: Essa prática consiste no afastamento das ramas para fora dos sulcos de irrigação e das faixas do terreno reservados ao trânsito. Esta operação deve ser feita até três vezes antes da frutificação. Além de facilitar as capinas, as pulverizações e a colheita, evita o apodrecimento dos frutos causado pelo contato com água ou por danos mecânicos. O penteamento, após a frutificação, deve ser evitado, pois pode causar o seu desprendimento. É importante planejar o plantio de maneira que a direção dos ventos facilite o posicionamento das ramas de melancia, evitando-se, assim, o desgaste das plantas por sucessivas operações de penteamento ou movimentação pelos ventos. Polinização: As flores masculinas e femininas de melancia localizam-se separadamente na mesma planta. Cada flor permanece aberta por apenas 1 dia; a abertura ocorre 1 a 2 horas após o aparecimento do sol e, o fechamento, à tarde. As abelhas são os principais agentes polinizadores em melancia, que é uma espécie alógama. A polinização das flores no dia da antese, normalmente, ocorre pela manhã. A presença de abelhas durante a fase de florescimento é fundamental para aumentar a frutificação e a produtividade, melhorando a qualidade dos mesmos e reduzindo o número de frutos defeituosos. Desbaste de frutos: devem ser eliminados todos os frutos defeituosos e com podridão estilar (fundo preto) pois, além de as plantas direcionarem energia para frutos que não serão comercializados, a presença dos mesmos inibirá o pegamento de outros frutos de qualidade na planta. Proteção da parte inferior e posicionamento na vertical dos frutos: Recomenda-se evitar o contato direto dos frutos com o solo, principalmente em épocas chuvosas. Os frutos devem ser calçados com palha de arroz, capim seco ou similar evitando-se o apodrecimento de frutos e a mancha de encosto, o que melhora a cotação do produto no mercado. Outra prática utilizada para melhorar o formato e a qualidade do fruto é colocá-lo na posição vertical — a região apical do fruto voltada para o solo, quando estiver com aproximadamente 20 dias após a polinização das flores. Com esta prática, a mancha de encosto ficará mais discreta, dando uma melhor aparência ao fruto. Rotação de culturas: Depois da colheita, deve-se plantar outra cultura de espécie e família diferentes da melancia, não sendo indicados plantios de melão, abóbora, chuchu, moranga ou pepino na mesma área. O plantio sucessivo de plantas da mesma família na mesma área favorece o ataque de pragas e doenças e, consequentemente, diminui a produção e a qualidade dos frutos. O coquetel vegetal é a mistura de diferentes espécies, normalmente leguminosas e gramíneas, cultivadas antes da espécie a ser plantada ou entre as linhas da cultura principal. Sua utilização tem importância por melhorar a diversidade de espécies na área reduzindo as pressões dos patógenos oportunistas que se encontram no local. Além disso, o uso do coquetel vegetal, principalmente com leguminosas, permite a fixação de nitrogênio no solo e transporte de nutrientes de camadas inferiores para camadas superiores, pela ação dos diferentes sistemas radiculares presentes, melhorando química, física e biologicamente o solo da área. Se o produtor optar por incorporar o coquetel visando à fertilização adicional do solo - leguminosas, é importante fazê-lo com um mínimo de antecedência de 50 dias da data prevista para o plantio da melancia. Caso seja para formar uma densa camada de cobertura morta com gramíneas-, o corte das plantas poderá ser feito próximo ao plantio da melancia, tomando-se o cuidado de fornecer nitrogênio suficiente nas covas, na forma de compostos orgânicos, torta de mamona, biofertilizantes, etc., evitando-se uma competição com as bactérias decompositoras, que atuarão sobre a palhada. Cobertura morta: Espécies de gramíneas possuem baixa velocidade de decomposição da parte aérea e, apesar de suas raízes ocuparem o espaço mais superficial do solo, a parte aérea se mantém por mais tempo sobre o mesmo, formando cobertura morta (mulch), muito recomendado em regiões quentes e secas como no Semiárido nordestino. Também contribuirá no manejo de plantas espontâneas e evitará a formação da mancha de encosto dos frutos. Manejo de doenças e pragas da melancia: Além das recomendações relacionadas na matéria postada no dia 31/10/2012 "Cultivo orgânico de hortaliças frutos - Parte I", outras práticas culturais são importantes, entre as medidas gerais no manejo de doenças e pragas da melancia: a) escolher a área de plantio não contaminada por doenças do solo e fazer rotação de culturas por 3 anos; b) evitar o plantio próximo à áreas cultivadas com melancia e outras espécies da família das cucurbitáceas; c) plantio de sementes ou mudas produzidas por empresas idôneas; d) adubar corretamente, de acordo com a análise do solo e do adubo orgânico, pois as plantas bem nutridas são mais resistentes às pragas e doenças; e) irrigar de forma correta, evitando o excesso de água o solo, pois favorece às doenças; f) controlar os insetos que provocam ferimentos nas plantas, servindo de porta de entrada para as doenças (bactérias, fungos e viroses); g) eliminar os frutos e plantas doentes da área para evitar a transmissão para as plantas sadias e h) eliminar os restos culturais após a última colheita.
Colheita: A colheita é feita cerca de 100 dias após plantio Quando as flores abrirem, elas indicam que aproximadamente 40 a 45 dias, os frutos estarão no ponto para serem colhidos. Mas há outros meios que identificam os frutos maduros: a) Ao bater com dedos no fruto e este emitir um som oco, está maduro (som metálico, ainda está verde); b) O fruto fica pálido e a casca está mais resistente a pressões; c) A gavinha próxima ao pendúnculo fica seca; d) A parte da casca que fica em contato com o solo, que antes era branca, fica amarelada. Colher os frutos maduros nas primeiras horas do dia, cortando o pendúnculo com uma faca afiada, à cerca de 5 cm da fruta, para evitar a penetração de fungos que apodrecem a melancia durante a armazenagem. Devem ser armazenadas deitadas, nunca em pé, e como não são colocadas em caixas, todo o cuidado é necessário ao transportá-las. No caminhão, a carroceria deve ficar forrada com 10 cm de capim seco, e as bordas protegidas. Também entre uma camada e outra, é recomendado proteger os frutos com palha ou saco de estopa. Não se aproveita os frutos rachados ou cortados durante o transporte. Fora da geladeira, a melancia se conserva bem durante uma semana, se guardada em lugar fresco e arejado. Depois de cortada, deve ser conservada na geladeira, envolvida em plástico ou papel alumínio, para evitar que absorva o odor de outros alimentos.


Melão
Embora conhecido e comercializado como fruta, o melão (Cucumis melo L.) é uma hortaliça-fruto, assim como a melancia e o morango. Assim como a melancia, pertence à família Cucurbitaceae, a mesma do chuchu, abóbora, moranga, melancia e pepino. De folhas grandes e flores amarelas, suas plantas são rasteiras e se desenvolvem bem em locais com insolação, dias longos, ar seco e sem ventos fortes. É uma hortaliça-fruto originária da África e Ásia, cuja introdução no Brasil foi feita por imigrantes europeus, tendo introduzido seu cultivo em meados da década de 60, no Rio Grande do Sul. Foi na Índia que ocorreu sua dispersão, espalhando-se para todas as direções. Hoje encontramos cultivares de melão em diversas regiões do mundo, desde os países mediterrâneos, centro e leste da Ásia, sul e centro da América e também o centro e sul da África. Esta amplitude de regiões de cultivo é conseqüência de uma grande variabilidade genética que tem permitido a adaptação de diferentes tipos de melão em condições agronômicas diversas, de tal maneira que hoje podemos encontrar em todos os mercados do mundo, melão com diferentes cores, formato e aroma. Nas Américas, o melão foi introduzido por intermédio de Cristóvão Colombo e a partir dessa época, passou a ser utilizado pelos índios, sendo rapidamente espalhado por todo o continente.
 Figura 4. Hortaliça-fruto: melão, pertencente ao grupo inodoros (tipo amarelo), o mais cultivado no Brasil

Propriedades nutricionais e terapêuticas: O melão, assim como a melancia, é altamente nutritivo e refrescante. O melão é rico em vitaminas A, B, B2, B5 e C, sais minerais como potássio, sódio e fósforo, apresenta valor energético relativamente baixo (20 a 62 kcal/100g de polpa); é consumido in natura ou na forma de suco e como ingrediente de saladas com frutas ou outras hortaliças. O fruto maduro tem propriedades medicinais, sendo considerado calmante, refrescante, diurético e laxante. Ele é também recomendado para o controle de gota, reumatismo e problemas renais. O melão, assim como a melancia, têm alto teor de biovlafonóides, carotenoides e outros pigmentos vegetais que ajudam a proteger contra o câncer e outras doenças. Embora a polpa de melão não contenha fibras insolúveis, contém pectina, uma fibra solúvel que ajuda manter o nível de colesterol no sangue sob controle.
Cultivo: Desenvolve-se bem em lugares de clima quente e seco, com alta luminosidade. Temperaturas elevadas associadas à alta luminosidade, baixa umidade relativa e umidade do solo adequada, proporcionam as condições climáticas necessárias para a boa produtividade da cultura e para a obtenção de frutos de ótima qualidade (aumenta o conteúdo de açúcares, melhora o aroma, o sabor e a consistência dos frutos). A temperatura é o principal fator climático que afeta diretamente o meloeiro. Ela influencia no teor de açúcar (ºBrix), sabor, aroma e na consistência do fruto, fatores importantes para a comercialização e principalmente a exportação. O °brix é usado também como índice de classificação de melão de acordo com seu teor de açúcar, sendo menor que 9 ºbrix considerado como não comercializável, de 9 a 12 como comercializável, e acima de 12º brix como melão extra. Em geral, nas regiões de clima frio, o plantio de melão deve ser feito de outubro à fevereiro, enquanto que em clima ameno, de agosto à março e no clima quente, durante o ano todo, evitando-se as épocas de chuvas intensas. A temperatura ideal para o bom desenvolvimento do melão varia de 20 a 30º C. Sob baixas temperaturas (15 à 20ºC), a ramificação do meloeiro é afetada resultando em plantas pouco desenvolvidas e baixas produtividade. Em temperatura elevada acima de 35ºC, estimula a formação de flores masculinas, e especialmente quando acompanhada por ventos fortes, pode ocorrer ruptura da casca dos frutos nos pontos mais fracos. Em temperaturas abaixo de 12ºC, o crescimento vegetativo é paralisado. O meloeiro não tolera ventos frios e geadas. A combinação de alta temperatura com alta luminosidade e baixa umidade relativa favorece ao estabelecimento do meloeiro e ao aumento de produtividade com maior número de frutos de qualidade comercial. A faixa ótima de umidade relativa do ar para o desenvolvimento do meloeiro situa-se de 65% a 75%. Em condições de umidade do ar elevada promovem a formação de frutos de má qualidade e propiciam a disseminação de doenças na cultura. Os melões produzidos nessas condições são pequenos e de sabor inferior, geralmente com baixo teor de açúcares, devido à ocorrência de doenças. O melão prefere solos férteis de textura média (franco-arenoso ou areno-argilosos), soltos, profundos (80 cm ou mais) e bem drenados. Cultivares:  Dentre as variedades de melão existem seis tipos que são cultivados no Brasil em escala comercial. No Brasil, planta-se principalmente cultivares de melão do grupo Inodorus, tipo "amarelo"; entretanto, há uma tendência de mercado no aumento da demanda por melões do grupo Cantalupensis, aromáticos, com bom sabor e maior teor de açúcar (°Brix). Os melões do tipo "Pele de Sapo", "Gália" e "Charentais", são os preferidos do mercado europeu. Tipo Amarelo: Pertence ao grupo dos inodorus e é também conhecido como melão espanhol; tem casca amarela e polpa variando de branca a creme e os frutos apresentam formato redondo ovalado e são os mais resistentes ao manuseio. Pele de sapo: Pertence ao grupo dos inodorus. recebeu este nome pela coloração de sua casca; verde-clara com manchas verde-escuras, levemente enrugada e dura, com polpa creme esverdeada. Dentre os melões comercializados, é o tipo de maior tamanho. As principais cultivares estão descritas a seguir. AF-682 – cultivar híbrido tipo "amarelo", com boa tolerância ao vírus do mosaico do mamoeiro, estirpe melancia (PRSV – W) e raça 1 de oídio; os frutos tem formato elíptico, casca amarelada levemente enrugada, cavidade interna pequena, uniforme, peso médio de 1,5 kg, sabor extremamente doce e precocidade de colheita em torno de 75 dias após a semeadura. AF-646 - cultivar híbrido tipo "amarelo", com boa tolerância ao vírus do mosaico do mamoeiro, estirpe melancia (PRSV – W) e raça 1 de oídio; os frutos tem formato elíptico, casca amarelada levemente enrugada, cavidade interna pequena, uniforme, peso médio de 1,4 kg, sabor extremamente doce e precocidade de colheita. Gold Mine – Cultivar híbrido tipo "amarelo", muito produtivo, tendo apresentado boa tolerância em campo às raças 1 e 2 de oídio, 0, 1 e 2 de fusarium e míldio; os frutos tem formato redondo-ovalado, de cor amarelo-dourada, casca levemente enrugada, muito firme, polpa creme-esverdeada, grossa, crocante e doce, teor de açúcar médio de 10 °Brix, pequena cavidade de sementes e peso variando de 1,5 a 2,0 kg. A colheita precoce ocorre, em geral, aos 60-65 dias do plantio. Tendency – Cultivar híbrido tipo pele de sapo recém lançada, plantas vigorosas e abundante cobertura foliar que protege os frutos de queimaduras causadas pelo sol, além de alta produtividade; apresenta alta qualidade de frutos, sendo o formato redondo/ovalado, peso médio de 1,3 kg, casca enrugada, coloração verde com manchas verde-escuras e amarelas, polpa espessa e crocante de coloração creme-verde-clara, pequena cavidade de sementes, excelente sabor e alto ºbrix com precocidade de colheita aos 55-60 dias. Honeydew – Cultivar de polinização aberta (andromonóica), boa conservação pós-colheita, recomendada para o mercado de exportação dos Estados Unidos, principalmente; colheita tardia entre 70 e 80 dias, produzindo frutos sem odor, casca bem lisa de coloração branco-creme brilhante, formato globular, peso médio de 1,5 kg, polpa esverdeada, suculenta, de textura fina e doce. Uma característica do tipo honeydew é que o fruto não se destaca da rama como em outros tipos necessitando o corte com tesoura. Hy-Mark – Cultivar híbrido, tipo Cantalupensis, muito produtivo, com alto pegamento de frutos; os frutos de formato levemente ovalado/arredondado, peso entre 1,4-1,5 kg, com casca reticulada, sem suturas e polpa de cor salmão muito forte, pequena cavidade de sementes, sabor muito doce e muito aromático. Altamente resistente a oídio raça 1 e tolerante a aplicação de enxofre. A maturação ocorre aos 62-67 dias, aproximadamente, acompanhada do início de desprendimento do pedúnculo. Adubação e correção do solo: de acordo com a análise do solo e do adubo orgânico; o melão é muito exigente na correção da acidez do solo, comportando-se melhor quando o pH estiver entre 6,0 e 7,5. O preparo do solo deve constar de uma aração média, em torno de 30 cm de profundidade, e uma gradagem feita no sentido perpendicular. Deve-se evitar o destorroamento excessivo do solo, deixando-se os torrões que servem para fixação das gavinhas e, ainda, reduzem a área de contato do fruto com a superfície do solo, diminuindo, portanto, a formação da "mancha de encosto". Esta mancha, quando acentuada, deprecia a qualidade comercial do melão. Outra opção que tem a vantagem de diminuir a infestação das plantas espontâneas, cobrir o solo , melhorar a fertilidade do solo e ainda manter a umidade do solo é o consórcio com adubos verdes (ver as recomendações no cultivo da melancia e também a matéria "Cultivo orgânico de hortaliças-frutos: Parte I). Os frutos não devem ficar em contato com o solo, meio que facilita o ataque de pragas e doenças, além de manchas brancas, que também podem surgir na casca do melão, por isso, o consórcio com adubos verdes é recomendável. Espaçamento e plantio: em pequenas áreas, as medidas para a cultura do melão são de 2 metros entre fileiras e de 0,3 a 0,5 m entre plantas (10.000 a 16.666 plantas/ha). Os produtores que cultivam áreas extensas, com alto nível de tecnologia, têm adotado espaçamento de 2,0 a 3,0 metros entre fileiras e de 0,12 a 0,50 metro dentro das fileiras (duas a oito plantas/m linear), deixando, normalmente, uma planta por cova. Assim como a melancia, o melão normalmente é semeado diretamente nas covas. No entanto, devido ao preço das sementes híbridas e também aos maiores cuidados e mão-de-obra necessárias neste sistema de plantio, cada vez mais tem sido preferido a produção de mudas em recipientes (bandejas de isopor, tubetes, copinhos de papel) protegidas por abrigos, para posterior transplante (ver na matéria "Cultivo orgânico de hortaliças-frutos: parte I" como fazer as mudas). É necessário ter cuidado para não passar do momento exato do transplantio, que não deve exceder o período da emissão da primeira folha definitiva (15 dias após semeadura). Para a semeadura direta é necessário 1 a 1,5 kg/ha de sementes. Irrigação: gotejamento é o sistema mais utilizado no cultivo do meloeiro nas principais regiões produtoras; consiste na aplicação de água através de gotas próximas às raízes das plantas. As vantagens do sistema de gotejamento são a economia de água, mão-de-obra e alta eficiência. A desvantagem é o alto custo de instalação em relação aos outros sistemas, como também, possíveis problemas de entupimento dos gotejadores. O cultivo de melão necessita ser irrigado com frequência, mas deve ser feito até três dias antes da colheita para aumentar os açúcares nos frutos. Polinização: As flores masculinas e femininas localizam-se separadamente na mesma planta. Cada flor permanece aberta apenas por um dia. A abertura ocorre de uma a duas horas após o aparecimento do sol e o fechamento, à tarde. A polinização é realizada por abelhas, normalmente pela manhã. A presença de abelhas durante a fase de florescimento é fundamental para o pegamento dos frutos e conseqüentemente aumento da produtividade e para diminuir o número de frutos defeituosos. Estresses hídricos e problemas de polinização são as principais causas de frutos mal formados. Poda: Diante de resultados de pesquisa realizada pela Embrapa Semi-Árido, não recomenda-se fazer a prática da poda, tendo como desvantagens a elevação dos custos de produção, além de facilitar a disseminação do vírus (PRSV-w) durante a operação da poda, não sendo observado aumento da produtividade de frutos. A operação de raleio, desbaste ou raleamento de frutos é uma prática efetuada com a finalidade de melhorar o tamanho e a qualidade dos frutos produzidos. Recomenda-se a eliminação dos frutos mal formados o mais cedo possível (o tamanho máximo é quando o fruto está do tamanho de uma bola de tênis). Outras causas são em decorrência de pragas, doenças, formato ou cicatriz estilar grande. O manejo de plantas espontâneas pode ser feito através de cultivos mecânicos ou a tração animal entre linhas e manualmente (enxada) entre as plantas, tantas vezes quantas forem necessárias para manter a cultura sem a competição das plantas espontâneas. Com o desenvolvimento das plantas, as capinas devem ser manuais (enxada) e localizadas, para evitar o manuseio das ramas. O sistema de plantio de melão consorciado com adubos verdes, evita a infestação de plantas espontâneas, além de outras vantagens. Calçamento dos frutos é uma prática comum no interior de São Paulo. Consiste em calçar o fruto com dois pedaços de bambu, palha ou capim seco, para não haver o contato direto dos frutos com o solo, evitando o apodrecimento dos mesmos (principalmente na época chuvosa, na fase próxima à colheita), em decorrência de pragas, tais como broca das hastes e broca das cucurbitáceas. Essa prática reduz, também, a mancha de encosto. O calçamento dos frutos seria ideal, porém, torna-se impraticável quando se cultiva áreas extensas. Manejo de doenças e pragas do melão: em geral, as recomendações para a melancia também vale para o melão; ver na matéria postada anteriormente "Cultivo orgânico de hortaliças-frutos: Parte I", o manejo de algumas pragas e doenças com produtos alternativos que não comprometem o meio ambiente. Rotação de culturas: seguir as mesmas recomendações da cultura da melancia.
Colheita: O ideal, considerando-se o aspecto do teor de açúcares e sabor, é a colheita de frutos completamente maduros. Entretanto, neste estágio, os frutos são recomendáveis apenas para a comercialização em mercados locais. Como o melão não contém amido (que é convertido em açúcar), ele não continua a amadurecer após ser colhido; portanto, o melão colhido antes de estar totalmente maduro nunca atinge o seu melhor sabor. Para selecionar um melão maduro, procure na área do talo uma cicatriz lisa e ligeiramente funda. Se houver esta marca quer dizer que o melão está maduro, sendo arrancado facilmente do pé. No entanto, se parte da haste ainda estiver presa à cicatriz, o melão foi colhido enquanto ainda estava verde. Para exportação, os melões do tipo "amarelo" podem ser colhidos quando iniciarem a mudança de coloração, ocasião em que deverão apresentar brix de aproximadamente 10º. Após a colheita, deve-se evitar pancadas e danos nos frutos, que depreciam a qualidade comercial e reduzem o período de conservação. Os frutos são colhidos manualmente, com auxílio de uma faca. Normalmente, os melões do grupo Inodorus (amarelos) tem uma maior conservação que os do grupo Cantalupensis (tipo reticulado).

2 comentários:

  1. como faço paracultivar melão no meu estado belém do pará nos temos abundacia de espaços nas nossas praças temos sol o ano todo e chuvas tambem

    ResponderExcluir
  2. Prezado Jonatas, tendo em vista que o clima de vocês é bem diferente, sugiro que procures o serviço de extensão rural de seu município, para orientação.

    ResponderExcluir

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube

Blog Archive

Blogger templates